Publicado por: pongpesca | 2010/03/30

Adriano Moreira defende a importância do mar e da CPLP para Portugal

“O académico Adriano Moreira defendeu hoje a importância da Língua, numa conferência em que considerou que o mar e a CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) são “duas janelas de liberdade” para Portugal.

“O país tem duas janelas de liberdade: uma é o mar (…) e a segunda é a CPLP. Já há estudos sobre a parte que a Língua tem no PIB, uma parte importantíssima”, afirmou Adriano Moreira, convidado de um almoço conferência promovido pela Associação de Amizade Portugal-Estados Unidos.

“A Língua Portuguesa não é nossa, também é nossa, mas como passa por todos os sítios, soma valores”, afirmou o professor universitário e ex-ministro do Ultramar, acrescentando que acha “estranho” que na CPLP ainda não haja uma célula universitária.

“Acho que nenhum país que tivesse a Língua espalhada como nós temos deixaria de fazer disto uma prioridade”, referiu.

“A Língua o que precisa é que se examine a importância que tem em cada lugar onde se fala”, defendeu, apontando que “os portugueses não deram muito pelo facto de o governo de Pequim, em 2005, ter delegado no governo de Macau as relações com os países de língua portuguesa para aproveitar a herança de Portugal”.

Adriano Moreira salientou igualmente a importância do mar e dos estudos que estão a ser feitos por jovens portugueses sobre a plataforma continental.

Para o antigo presidente do CDS, Portugal “está num ponto em que ou vai ter com o mar ou o mar vem ter com Portugal”.

O país “está na charneira da segurança do Atlântico Norte, do Mediterrâneo e do Atlântico Sul. Queira ou não queira, o mar é uma janela de liberdade”, apontou.

Numa conferência subordinada ao título “As relações entre Portugal e os Estados Unidos da América e o seu papel no mundo”, Adriano Moreira afirmou-se convicto que a “solidariedade com os Estados Unidos é fundamental”. Mas, afirmou ver com alguma inquietação que os Estados Unidos “sozinhos” tenham relações directas com a Rússia para o equilíbrio nuclear.

“Ainda não ocorreu a ninguém que não há Estados confiáveis e não confiáveis para ter bombas atómicas”, considerou, defendendo que a solução “é acabar com as armas de destruição maciça”.

Para Adriano Moreira, “o que é inquietante é que a relação seja directa”, embora muito do que esteja em causa diga respeito à Europa e à sua relação com a Rússia.”

Fonte: Notícias Lusófonas – 29 de Março de 2010

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: