“Os Ministros das Pescas da União Europeia, reunidos em Conselho em Bruxelas, decidiram as possibilidades de pesca para 2018, num processo mais uma vez marcado pela falta depong transparência, segundo um comunicado da Plataforma de Organizações Não Governamentais Portuguesas sobre a Pesca (PONG-Pesca). À semelhança de anos anteriores, uma boa parte dos pareceres científicos voltaram a ser ignorados e a grande maioria das quotas foi estabelecida acima de níveis que permitam o rendimento máximo sustentável (RMS), conforme exigido pela Política Comum das Pescas (PCP), acusa a organização.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Ambiente Magazine, 14 de dezembro de 2017