Publicado por: pongpesca | 2018/06/21

Pescadores europeus protestaram contra a pesca eléctrica

Pesca eléctrica“No dia 18 de Junho, pescadores de vários países europeus mobilizaram-se nos portos de IJmuiden (Holanda), Nieuwpoort (Bélgica), Boulogne-sur-Mer (França) e Lowestoft (Reino Unido) contra a pesca eléctrica. O protesto, que terá contado com mobilizações semelhantes na região de Flensburg, no Mar Báltico (Alemanha), e nas regiões francesas de Concarneau, Le Guilvinec e Saint Brieuc, na Bretanha, Saint Mandrier e La Ciotat, na costa do Mediterrâneo, e Saint Jean de Luz, na costa atlântica, serviu igualmente para exigir à União Europeia (UE) que proíba “definitivamente esta técnica destrutiva de pesca”, segundo refere a organização #FishersResist em comunicado.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Jornal de Economia do Mar, 20 de junho de 2018

Anúncios

Many commercially important fish species could move their range hundreds of kilometres northwards and the movement has already begun, according to a research published in the journal Science. File Photo: Reuters“Warming oceans could spark international conflict over fisheries as it is forcing fish species to migrate in search of colder waters, says a new study.
Climate change is forcing fish species to shift their habitats faster than the world’s system for allocating fish stocks, according to the new research published in the journal Science. Fisheries face a serious new challenge with climate change driving oceans to conditions not experience historically.
“The right to harvest particular species of fish is often decided by national and regional fisheries management bodies. Those bodies have made the rules based on the notion that particular fish species live in particular waters and don’t move much.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: livemint, 18 de junho de 2018

“Within commercial fisheries, discarding is the practice of throwing away part of a catch. There are many factors which drive this wasteful and unsustainable practice within the EU.
Fishers, for example, may not be allowed to land a given stock because it would exceed their quota, or a proportion of the catch is below a minimum legal size.
It may also be more profitable to dispose of catch that will not get a good price because they are of poor quality, small, damaged or if the catch is a non-commercial species.
Discarding is, unfortunately, a common practice in global fisheries, estimated to be in the region of 30 million tonnes. This represents around 23 per cent of worldwide catches.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: GreenNews, 14 de junho de 2018

Publicado por: pongpesca | 2018/06/20

Sciaena organizou reunião em Bruxelas sobre o atum patudo

“Dia 13 de junho de 2018, a Sciaena organizou, em colaboração com o Gabinete dos Açores em Bruxelas uma reunião sobre a pesca de atum patudo nos Açores e na Madeira, o estado débil do stock no Atlântico e a necessidade de adotar medidas que permitam a recuperação do stock no âmbito da Comissão Internacional para a Conservação dos Tunídeos do Atlântico (CICTA). Para além do Diretor Regional das Pescas dos Açores, membros do gabinete do Diretor Geral para os Assuntos Marítimos e Pescas (DG-MARE) da União Europeia, da Representação Permanente de Portugal Junto da União Europeia (REPER) e do gabinete do Eurodeputado Ricardo Serrão Santos.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Sciaena, 14 de junho de 2013

Publicado por: pongpesca | 2018/06/19

EUMOFA Monthly Highlights No. 5/2018

e20180619 sem nome.png

Pode consultar o último número da newsletter do EUMOFA aqui.

Consultar números anteriores aqui.

Fonte: EUMOFA – 19 de junho de 2018

e20180619 bivalves“Interdições atuais
Mapa de permissões/interdições
Aceda ao comunicado integral.”

Ver mais informações aqui e aqui.

Fonte:  Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) – 18 de junho de 2018

 

Publicado por: pongpesca | 2018/06/19

João Aguiar Machado debateu pescas com Gui Meneses

e20180619 23377.png“O Secretário Regional do Mar, Ciência e Tecnologia dos Açores, Gui Meneses, reuniu-se em Bruxelas com o Director Geral dos Assuntos Marítimos e das Pescas da Comissão Europeia (CE), João Aguiar Machado, com quem discutiu assuntos em preparação na CE e que terão repercussão no arquipélago, em particular relacionados com a pesca.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Associação dos Portos de Portugal, 13 de junho de 2018

“Indus & the Ganges carry second & sixth highest amounts of plastic debris to the ocean.
Over the last decade we have become increasingly alarmed at the amount of plastic in our oceans.
More than 8 million tons of it ends up in the ocean every year. If we continue to pollute at this rate, there will be more plastic than fish in the ocean by 2050.
But where does all this plastic waste come from?
Most of it is washed into the ocean by rivers. And 90% of it comes from just 10 of them, according to a study.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: The Print, 17 de junho de 2018

Publicado por: pongpesca | 2018/06/18

5 ways that climate change affects the ocean

“For an ecosystem that covers 70 percent of the planet, oceans get no respect.
All they’ve done is feed us, provide most of the oxygen we breathe, and protect us from ourselves: Were it not for the oceans, climate change would have already made Earth uninhabitable.

How?
The oceans have gamely absorbed more than 90 percent of the warming created by humans since the 1970s, a 2016 report found. Had that heat gone into the atmosphere, global average temperatures would have jumped by almost 56 degrees Celsius (100 degrees Fahrenheit).”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: humanature, 7 de junho de 2018

Fisheries management is working, Congress should stick to the science“It’s no coincidence that June, the start of beach-vacation high season, is also National Oceans Month — a time to appreciate all that the marine environment provides for millions of species, including us.
Although the ocean faces a variety of threats, this year there’s good news: The annual report by the National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA) on the state of U.S. fisheries shows continued progress in the science-based efforts to rebuild and manage ocean fish populations. With our nation’s primary fishing law, the Magnuson-Stevens Fishery Conservation and Management Act, up for reauthorization, it is critical that lawmakers build on these gains rather than erode them.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: The Hill, 15 de junho de 2018

Anna and Ella Turns with their recovered plastic in Salcombe“One My Little Pony, two crabbing buckets, five balloons, six balls, seven straws, nine shoes, a dozen coffee cups, 20 carrier bags, 205 plastic bottles and lids, polystyrene and a huge amount of rope. That is just a fraction of what my six-year-old daughter, Ella, and I collected over the course of two days last weekend, as we paddleboarded around the Salcombe-Kingsbridge estuary in south Devon, scouring the foreshores of every creek and cove for 22 miles.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: The Guardian, 13 de junho de 2018

“Fish don’t follow international boundaries or understand economic trade agreements. Different species live in regions all over the globe. If that wasn’t complicated enough, they also migrate as they age.
“It’s like trying to raise cattle when you’ve taken down all the fences,” said Karrigan Börk, a professor at University of the Pacific McGeorge School of Law whose background includes a PhD in ecology. “Except you can’t even brand the fish. There’s no way to know which fish is yours.””

Ver artigo completo aqui.

Fonte: The Washington Post, 14 de junho de 2018

overfishing in Europe“Na nossa recente conferência da Pew, o Comissário Europeu para o Ambiente, Assuntos Marítimos e Pescas, Karmenu Vella, defendeu vigorosamente os benefícios das pescas sustentáveis. No seu discurso de encerramento, sublinhou que «acabar com a sobrepesca faz sentido em termos ambientais, sociais e até económicos» e concluiu que «a questão não é se podemos dar-nos ao luxo de agir, [mas] como podemos dar-nos ao luxo de não agir».
Esta urgência é bem-vinda e deve informar a atitude da Comissão Europeia, uma vez queesta começa a preparar-se para propor os limites de pesca para o próximo ano, um processo que arranca com a publicação da «Comunicação» da Comissão sobre as oportunidades de pesca, todos os verões.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Pew Charitable Trust, 3 de maio de 2018

“The data from the report show that overfishing levels still remain high in the North East Atlantic, including adjacent seas, i.e. the Baltic or the North Sea, where 41% of stocks have been excessively harvested. According to the report, the Mediterranean Sea is currently in the worst state of all of Europe’s seas, with around 90% of the fish stocks overfished, and some at high risk of complete collapse. European hake, red mullet, blue whiting and anglerfish are all fished at levels around 10 times higher than what is considered sustainable, according to science.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: eureporter, 13 de junho de 2018

 

A short-snouted seahorse, among the species set to benefit from the scheme“The government has pledged to create 41 new marine conservation zones (MCZ) around Britain’s coastline that will block “harmful” activities like dredging, sea-bed trawler fishing and offshore development.
Michael Gove, the environment secretary, claimed extending the UK’s so-called “blue belt” of protected sea zones would put it “at the forefront of marine protection”.
A six-week consultation is planned after which the Department for Environment, Food and Rural Affairs (Defra) intends to designate some 11,000 sq km of coastline as newly protected – bringing the total area to 220,000 sq km, or two-fifths of the country’s coastline.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Independent, 8 de junho de 2018

Portugal recebe menos 14 milhões para pescas no próximo orçamento da UE“Portugal vai receber 378,5 milhões de euros para o sector das pescas no próximo quadro financeiro plurianual (QFP)2021-2027, menos 14 milhões do que a verba inscrita no orçamento em vigor, disse esta quarta-feira, 13 de Junho, à Lusa fonte comunitária.
O envelope para Portugal previsto na proposta do Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas (FEAMP) para o período 2021-2027 é de 378,5 milhões de euros, face aos 392,5 milhões de euros do QFP em vigor até finais de 2020.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Jornal de Negócios, 12 de junho de 2018

e20180613 featured-image-index.jpg“Fisheries provide a vital source of food, employment, recreation, trade and economic well-being for people throughout the world. In a world of growing population and persistent hunger, fish has emerged as an important commodity for the achievement of food security. However, efforts by the international community to ensure the sustainability of fisheries are being seriously compromised by illegal, unreported and unregulated fishing activities.”

Ver artigo completo aqui.

Ver mais informações aqui.

Fonte: United Nations, 2018

Publicado por: pongpesca | 2018/06/13

The U.N. Goal That Doesn’t Get A Lot Of Respect

e20180613 sem nome.png“Of the U.N.’s 17 goals to make the world a better place by 2030, one goal gets much less respect than the others.

It’s not improving education. It’s not wiping out poverty and hunger.

It’s Goal #14 — which aims to “conserve and sustainably use the oceans, seas and marine resources for sustainable development.”

 

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Goats and Soda – Stories of Life in a Changing World, 31 de maio de 2018

e20180612 sem nome.png“Este breve questionário enquadra-se no âmbito do projeto PRIMROSE e tem como objetivo reunir opiniões dos operadores económicos do setor da pesca e da aquacultura. Estas serão posteriormente utilizadas no desenvolvimento de um boletim de proliferação de algas nocivas e de contaminação microbiológica, para apoio à gestão da sua atividade.”

Ver artigo completo aqui.

Ver mais informações aqui e aqui.

Fonte: IPMA, 8 de junho de 2018

20180611- 1stIberian Marine ENGO Meeting_Lisboa_Press Release_Final_Pt-page-001“Lisboa, 11 de junho de 2018

Hoje, 15 organizações não-governamentais (ONG) de conservação marinha de Portugal e Espanha reuniram pela primeira vez em Lisboa – no veleiro Diosa Maat dos Ecologistas en Accíon e na sede da Liga Para a Protecção da Natureza – para coordenar o seu trabalho em assuntos-chave. O stock ibérico de sardinha, as oportunidades de pesca de espécies de profundidade e a implementação da Política Comum das Pescas (PCP) estiveram entre os principais temas discutidos. Como resultado, será solicitada uma reunião ao Comissário Europeu para o Ambiente, Assuntos Marítimos e Pescas, Karmenu Vella. Muitas outras ações conjuntas estão a ser planeadas, assim como uma plataforma de comunicação partilhada, de forma a aumentar a capacidade conjunta das organizações para lidarem com os desafios que as águas ibéricas enfrentam.
A Natureza não responde às barreiras feitas pelo homem, muito menos quando se trata do Oceano e da vida marinha. Os pescadores no geral sabem isto, mas talvez nenhuns melhor do que os portugueses e espanhóis, que partilham stocks de pesca desde que há registo. Os dois países estão geograficamente, biologicamente, socialmente, economicamente e politicamente ligados pelas águas do Oceano Atlântico.
Embora as ONG espanholas e portuguesas tenham colaborado no passado em questões de conservação marinha, foi a grave situação do stock de sardinha ibérica que tornou claro que só será possível ter pescarias sustentáveis e ecossistemas marinhos saudáveis na região se existir uma cooperação próxima e continuada entre as organizações dos dois países. A visita do veleiro Diosa Maat dos Ecologistas en Acción a Lisboa criou a oportunidade perfeita para as organizações dos dois países se reunirem.
As organizações fizeram uma exigência clara: “Os Ministros de Portugal e o novo de Espanha têm que tomar a liderança na Europa, seguindo os melhores pareceres científicos disponíveis e implementando em pleno a Política Comum das Pescas, assim recuperando e mantendo os stocks em níveis sustentáveis até 2020”.
Portugal e Espanha têm sido muitas vezes os estados membros menos ambiciosos no que toca a respeitar a ciência e a PCP e, como tal, para além de várias ações centradas nos ministros dos dois países, irá ser pedida nos próximos dias uma reunião ao Comissário Europeu para o Ambiente, Assuntos Marítimos e Pescas para discutir estes assuntos de importância Ibérica e Europeia, em última análise.
As ONG também concluíram que os dois países têm de ser mais pró-ativos na gestão sustentável e na promoção de pescas de pequena escala e de baixo impacto, assim como na implementação conjunta da rede Natura 2000. Mas os desafios que as águas ibéricas enfrentam vão muito para além das pescas. O lixo marinho, os planos de extração de petróleo e gás natural, a poluição e gestão insustentável dos rios, entre muitos outros assuntos, requerem também ações conjuntas. Assim, um dos principais resultados desta primeira reunião entre ONG de conservação marinha espanholas e portuguesas foi a adoção de uma lista de assuntos que irão acompanhar com comunicações e eventos conjuntos.”

Ver comunicado de imprensa aqui.

 

 

“Ie20180611_sem nome.pngn the ocean, everything moves. Waves push around vast swaths of saltwater, tides ebb and flow, and over time tectonic rumblings transform the seafloor. With all that movement, marine life travels as well—making the oceans one of the most dynamic ecosystems on Earth. This constant shuffling can make it hard to predict where a particular marine species might be on any given day. But that is exactly what Elliott Hazen, a fisheries scientist from the National Oceanic & Atmospheric Association (NOAA), is trying to do through new modeling software.”

Ver artigo completo aqui.

Ver mais informações aqui.

Fonte: Smithsonian.com, 5 de junho de 2018

pongpesca_blog_20160621 dgrm xst_loadimg“Devido a constrangimentos de disponibilidade das instalações, a sessão e discussão pública do projeto de Plano de Situação do Ordenamento do Espaço Marítimo Nacional correspondente à subdivisão do Continente e subdivisão da Plataforma Continental Estendida, agendada para dia 14 de junho, no Algarve, é alterada para:

Dia 18 de junho, no Auditório da CCDR – Algarve, Praça da Liberdade, 2, Faro”

Ver mais informações aqui, aqui e aqui.

Ver mais informações no site do Participa! aqui.

Fonte: DGRM – Direção Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos , 8 de junho de 2018

“The European Commission has taken stock of the implementation of EU’s Common Fisheries Policy and launched the process of agreeing fishing opportunities for 2019.
The Communication reaffirms the Commission’s commitment to promoting fisheries that are both environmentally sustainable and economically viable. The Communication is now open for consultation and comments from the public.
Commissioner Karmenu Vella, responsible for the Environment, Maritime Affairs and Fisheries, said: “Restoring the health of our seas and oceans is not a choice, it’s an imperative, and the EU must continue to lead by example. The laudable efforts of our fishermen over the last decade are starting to pay off: Many of our fish stocks, though far from all, are returning to sustainable levels. Yet, now is not a time for complacency. 2019 will be a crucial year for achieving our shared objectives. Working hand-in-hand – fishermen, industry, civil society and authorities – let us keep up the efforts and keep our ambitions high for our ocean. I look forward to working closely with all parties.””

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Comissão Europeia, 11 de junho de 2018

Publicado por: pongpesca | 2018/06/11

Plástico ameaça o ecossistema da Guiné-Bissau — ONG

logotipo dn 183952_196072783754374_196651_n“O investigador do Instituto de Biodiversidades e Áreas Protegidas (IBAP) da Guiné-Bissau Castro Barbosa alertou hoje para o perigo que corre o ecossistema devido à quantidade de plástico que se encontra nos mares e rios do país.
Segundo Castro Barbosa, o plástico vem do lixo que é despejado para os mares e rios.
Castro Barbosa deu o exemplo do parque natural João Vieira/ Poilão, uma das zonas das reservas da biodiversidade situado no arquipélago dos Bijagós, onde chegam todos os anos, no mês de agosto, “grandes quantidades de lixo, sobretudo plástico”, causando danos no ecossistema.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Diário de Notícias, 8 de junho de 2018

Publicado por: pongpesca | 2018/06/11

O Oceano Atlântico é a casa de muitas espécies

A bióloga realizou um projeto de recuperação de recifes de coral durante uma expedição às Maldivas“Cerca de 71% do planeta Terra é oceano e esta sexta-feira, dia 8 de junho, dedica-se especial atenção à vida marinha. No Dia Mundial dos Oceanos, o Expresso lançou-se à descoberta das águas que circundam a costa portuguesa.
A bióloga marinha Sofia Silva, que colabora com o centro de investigação CETEMARES, do Instituto Politécnico de Leiria, explica que o Oceano Atlântico, o segundo maior do mundo, possui uma elevada abundância e diversidade de vida marinha. Considera-se que aproximadamente 95% do volume dos oceanos permanece inexplorado.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Expresso, 8 de junho de 2018

Publicado por: pongpesca | 2018/06/08

Almost 20 pounds of plastic found in dead whale’s stomach

Still image from a video footage shows up to 80 plastic bags extracted from within a whale “Almost 20 pounds of plastic bags and other plastic trash were pulled from the stomach of a pilot whale that died over the weekend in Thailand, officials have said. Thailand’s marine agency has vowed to use the case to call for change in human behavior ahead of World Oceans Day, on June 8.
The pilot whale was first found struggling in a canal in southern Thailand’s Songkhla province a week ago, according to the Reuters news agency. Veterinarians tried to help the animal, and it managed to spit out about five pieces of plastic on Friday but then died.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: CBS News, 5 de junho de 2018

 

“O Dia Mundial dos Oceanos celebra-se a 08 de Junho, este ano com o lema “Prevenir a poluição plástica e encorajar soluções para um oceano saudável”.
De acordo com o programa distribuído pelo INDP, as actividades englobam ainda conferências nas escolas sobre a problemática do (micro) plástico nos oceanos, conferência sobre os oceanos nas universidades, exposição, visitas e acções de sensibilização.
O ponto alto ocorre no dia 08, com o acto central, na sede do INDP, em que se vai falar da “Oceanografia e pesca: do instrumental ao prático”, seguido da exposição sobre o INDP com tema “Química da vida”.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Jornal Económico, 4 de junho de 2018

Whale Skull Cube“Throughout human history, people have used art to elevate our passions and inspirations. Across the Pacific there is perhaps no greater form of inspiration than the ocean, which has both connected and provided for these island and coastal communities for centuries. To honor that, the Secretariat of the Pacific Regional Environment Programme (SPREP), the Tjibaou Cultural Centre, and the Pew Bertarelli Ocean Legacy Project partnered to showcase the work of artists from New Caledonia and Oceania.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: The Pew Charitable Trusts, 5 de junho de 2018

Publicado por: pongpesca | 2018/06/07

Mar2020 | newsletter junho 2018

news_06Ver último número da Newsletter do Programa Operacional Mar 2020 aqui.

Ver números anteriores aqui.

Fonte: Mar 2020

“Five countries are responsible for the majority of fishing in the high seas—international waters that are not under one country’s jurisdiction. All five depend on enormous subsidies to keep high seas fishing economically sustainable, concludes a study released today in the journal Science Advances.
Overfishing in the high seas is already ecologically unsustainable, says Enric Sala, executive director of the Pristine Seas project and the lead author of the study. But most fishing companies from China, Taiwan, Japan, Korea, and Spain would not turn a profit at all if their governments didn’t financially back the operations by providing tax breaks and paying for fuel, boat repair, insurance, and equipment, and by subsidizing infrastructure like facilities for processing and distribution.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Sierra, 6 de junho de 2018

Publicado por: pongpesca | 2018/06/07

Capturas de pescado diminuíram em 2017

Comissão Europeia“Em 2017, a frota portuguesa capturou 179.437 toneladas de pescado, menos 5,9% do que no ano anterior, revelou o relatório «Estatísticas da Pesca – 2017» recentemente publicado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e Direcção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM). De acordo com o documento, tal redução “resultou do menor volume de pesca em águas nacionais (-5,3%), bem como da menor captura em pesqueiros externos (-7,1%)”. Mas o pescado transaccionado em lota gerou receitas de 272.360 euros, mais 1,1% do que em 2016.
“A redução de capturas registada a nível nacional ficou a dever-se à menor captura de peixes marinhos que registou um decréscimo de 3,9% em relação a 2016. Para tal contribuiu sobretudo a cavala (-30,4%) mas também o carapau e as pescadas, que registaram menores volumes de captura (-4,8% e -24,6%, respetivamente).”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Jornal da Economia do Mar, 4 de junho de 2018

Resultado de imagem para sic noticias logo“Na noite da próxima sexta-feira, 8 de junho, dia mundial dos Oceanos, a Plataforma de Organizações Não Governamentais Portuguesas sobre a Pesca (PONG-Pesca) e a Associação Renovar a Mouraria juntam-se num arraial em que se serve carapau, para chamar a atenção dos cidadãos para alternativas ao consumo de sardinha, espécie cujo ‘stock’ ibérico sofreu um declínio acentuado nas últimas décadas.
Em conjunto com a Associação Renovar a Mouraria, a PONG-Pesca pretende, através de um arraial com carapau, dar mais informação sobre a questão do mau estado biológico da sardinha, para que as pessoas possam fazer escolhas sustentáveis em termos de consumo de pescado.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: SIC Notícias, 5 de junho de 2018

Fonte: OMA – Observatório do Mar dos Açores

PONG-Pesca“Com o objectivo de antecipar a publicação do parecer do ICES (Conselho Internacional para a Exploração dos Mares) sobre a sardinha ibérica e a avaliação que o mesmo fará sobre o plano de recuperação apresentado por Portugal à Comissão Europeia (plano que estabelecerá as quotas para os próximos anos), a PONG-Pesca (Plataforma de Organizações não Governamentais sobre a Pesca) promoveu, na passada Sexta-feira, um evento, denominado «A Ciência na Gestão das Pescas – esclarecer e aproximar».
Além da antecipação, o evento, no qual participaram 30 profissionais de várias áreas relacionadas com a pesca, visou diminuir a distância entre o ICES e os stakeholders portugueses que conduz a um desentendimento sobre os pareceres, procurando esclarecer como são produzidos e de que forma podem os interessados intervir no processo de produção de aconselhamento científico e das pescarias.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Jornal de Economia do Mar, 5 de junho de 2018

e20180605_processing-industry_33459_1“The report compiles several sets of raw economic data to analyse the overall performance of the sector in 2015. The resulting figures speak for themselves. The sector’s turnover, which had been on the rise since 2008, came very close to the €30 billion mark. Its gross value added, i.e. its contribution to the economy through wages and gross profit, was nearly €6 billion. Total employment remained relatively stable over the 2008-2015 period, totalling 126,413 people in 2015 – 45% of which were women. Over the same period wages increased by 22% and the average annual salary was €30,133 per full time equivalent..”

Ver artigo completo aqui.

Ver relatório aqui.

Fonte: European Commission – Fisheries, 4 de junho de 2018

logo cm peniche“ESTM – PENICHE: DIA MUNDIAL DOS OCEANOS (8 JUNHO) No âmbito das comemorações do Dia Mundial dos Oceanos (8 de junho), a Comissão Nacional da UNESCO (CNU) em parceria com Comité Português para a Comissão Oceanográfica Intergovernamental (COI) e a Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar (ESTM – Peniche) do Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria), irão organizar a Conferência “OCEANOS: SENSIBILIZAR para AGIR, PROTEGER para VALORIZAR”, subordinada ao tema do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 14 da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável “Proteger a Vida Marinha” e respetivas metas.”

Ver artigo completo aqui.

Ver programa aqui.

Fonte: Câmara Municipal de Peniche, 25 de maio de 2018

2018-06-05_CI_Arraial-com-carapau_PONG-Pesca_Final-001

2018-06-05_CI_Arraial-com-carapau_PONG-Pesca_Final-002

Ver comunicado de imprensa aqui.

In this April 10, 2008 file photo, a ballet of three North Atlantic right whale tails break the surface off Provincetown, Mass., in Cape Cod Bay.“Canada has closed more fisheries in the Gulf of St. Lawrence in response to the movement of Right Whales in the region.
The dynamic closures are part of new measures the Department of Fisheries and Oceans (DFO) announced in April which are designed to protect the endangered species of whales — 18 of which were killed in Canadian and U.S. waters in 2017.
The closures, which are meant to respond to sightings of the whales, will shut down the zones for at least 15 days.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: GlobalNews, 3 de junho de 2018

Publicado por: pongpesca | 2018/06/04

Antena 1 | Um Oceano de oportunidades

Resultado de imagem para antena 1 logo“A partir do Oceanário de Lisboa, 20 anos depois da Expo 98 dedicada aos oceanos, quisemos saber que oceano de oportunidades tem Portugal pela frente.
O que fazer com a 3ª maior zona económica exclusiva da União Europeia e a 11ª do mundo? Como assegurar a sustentabilidade dos recursos? Como conjugar preservação com exploração? Para onde devemos apontar projetos e investimentos? Quanto vale afinal a economia azul?
Perguntas para o debate: Um oceano de oportunidades, a partir do Oceanário de Lisboa.”

Ouvir a entrevista aqui.

Fonte: Antena 1

CI_eventoICES_final-page-001

Ver comunicado de imprensa aqui.

The Queensland groper fish spotted in New Zealand waters on Sunday after sea temperatures rose by several degrees on average.“Rare tropical fish from Australia have been spotted in New Zealand waters after a record-breaking hot summer and warm ocean temperatures lured the creatures across the Tasman sea.
The Queensland groper, also known as the giant grouper, is the aquatic emblem of the state and was spotted swimming around the wreck of the HMNZ Canterbury in the Bay of Islands on Sunday, more than 3,000 kilometres away from its usual cruising spots on the coral reefs and estuaries off the Queensland coast.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: The Guardian, 29 de maio de 2018

“O «Livro Verde sobre a Pesca do Polvo no Algarve», que resulta de dois anos e meio de trabalho, vai ser apresentado amanhã, sexta-feira, 1 de junho, pelo Centro de Ciências do Mar (CCMAR) da Universidade do Algarve.
Trata-se de um documento que compila as perspetivas de todos os intervenientes no setor, relativamente a diversos aspetos, incluindo a gestão desta pescaria.
Entre 2014 e 2016, o CCMAR promoveu reuniões mensais intituladas «Tertúlias do Polvo», que juntaram à mesma mesa os diversos intervenientes da pesca do polvo no Algarve, pescadores e respetivas associações, instituições governamentais, investigadores, entre outras.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Região Sul, 31 de maio de 2018

2ª Edição | Fundo para a Conservação dos Oceanos do Oceanário de Lisboa e da Fundação Oceano Azul

“O Oceanário de Lisboa e a Fundação Oceano Azul apresentam a 2ª edição do FUNDO para a Conservação dos Oceanos, com o propósito de responder a desafios críticos no âmbito da conservação dos ecossistemas marinhos.
Sob o tema “Espécies marinhas ameaçadas. Da ciência para a consciência”, a 2ª Edição conta com um financiamento de 150 mil euros e vai apoiar projetos inéditos, desenvolvidos em território nacional ou internacional, que contribuam para um maior conhecimento sobre espécies marinhas que se encontrem classificadas como ameaçadas na Lista Vermelha da ‘International Union for Conservation of Nature’ (IUCN), ou seja, espécies classificadas com os estatutos: “Criticamente em Perigo”, “Em perigo” e “Vulnerável”.
As candidaturas terminam a 13 de julho de 2018, às 18h00 TMG e os projetos podem ter a duração máxima de três anos.”

Ver mais informação aqui.

Fonte: Oceanário de Lisboa

The Great Barrier Reef shot from a plane off the north Queensland coast.“The Great Barrier Reef survived five “death events” over the past 30,000 years, but might not be resilient enough to bounce back from current climate pressures, according to a new study.
By drilling into and extracting fossilised coral at the edge of the continental shelf, a team of scientists reconstructed how the reef shifted and evolved over the past 30,000 years.
In the journal Nature Geoscience today, they report that the reef migrated out to sea and landward again as sea levels rose and fell with changes in glaciation.
During these swings, the reef faced death events, but survived the ups and downs by shifting and growing at different depths.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: ABC News, 28 de maio de 2018

cartazdiaberto2018“O Departamento do Mar e Recursos Marinhos, em Algés, no próximo dia 8 de junho, celebra o Dia Mundial dos Oceanos abrindo a portas a quem o queira visitar, entre as 10:00 e as 16:00.
Os visitantes poderão assistir a palestras, visitar os laboratórios, e uma exposição sobre temas do mar.
O programa será divulgado brevemente. Venha visitar-nos!”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: IPMA, 24 de maio de 2018

Publicado por: pongpesca | 2018/05/30

O CCMAR está a recrutar!

Resultado de imagem para ccmar logoVer edital 1 aqui.

Ver edital 2 aqui.

Ver edital 3 aqui.

Fonte: Universidade do Algarve

 

cmscoms logo v3“Bob Earll: There is a well known tension between Nephrops – scampi prawn – mobile gear fisheries and fisheries for white fish with the later usually suffering in the long run e.g. in the Clyde and Irish Sea. It will be interesting to see just what this FDF process will reveal.

MMO: The Fully Documented Fishery (FDF) schemes aim to reduce fish discards and encourage fishermen to fish more selectively. Vessels participating in either scheme are required to comply with the Landing Obligation and all fisheries regulations.”

Ver artigo completo aqui.

Ver mais informações aqui.

Fonte: Communications and Management for Sustainability (CMS), 8 de maio de 2018

e20180529 hangingcoral“Historically, coral conservationists have focused their efforts on protecting these invaluable marine resources from direct environmental threats, like land-based pollution and damaging fishing practices. While these efforts continue, researchers are now also looking at ways to tackle coral reef restoration more proactively.

Individual corals build reefs over thousands of years, but environmental stressors, and damage from events like ship groundings or storms, can destroy a reef in mere decades—or even less. Since the 1980s, episodes of coral bleaching have been happening more often, meaning that corals don’t have time to recover between these events. That’s why, to help save the corals, and the benefits they provide, conservationists now want to give more active assistance.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: National Ocean Service – National Oceanic and Atmospheric Administration, 14 de maio de 2018

Publicado por: pongpesca | 2018/05/29

Novas propostas da CE para plásticos e artes de pesca

e20180529 FOTO-Plasticos-nova-610x310.jpg“A Comissão Europeia (CE) apresentou ontem uma Directiva com propostas para os “10 produtos de plástico descartáveis mais frequentemente encontrados nas praias europeias e no mar, bem como para as artes de pesca perdidas ou abandonadas”, que em conjunto representam 70% do lixo marinho. As propostas serão em seguida transmitidas ao Parlamento Europeu (PE) e ao Conselho para adopção. A CE aproveitou a ocasião para instar “as outras instituições a tratar este dossier com carácter prioritário e a assegurar resultados tangíveis para os europeus antes das eleições de Maio de 2019”.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Jornal de Economia do Mar, 29 de maio de 2018

Decision support framework for more effective fisheries management“Today’s fisheries are generally managed using a single-species approach that is inherently flawed. A multi-species or ecosystem-based approach is needed to improve the situation and ensure future sustainability.
An ecosystem-based approach to fisheries management (EAFM) takes a lot more data into account than a single-species approach. It can provide more appropriate guidelines to fisheries managers, helping them utilise resources as sustainably as possible.
Moving away from single-species fisheries management methods.
“The ultimate objective of MareFrame was to create the necessary tools and guidelines to facilitate the increased implementation of an EAFM in Europe,” says Dr Anna Kristín Daníelsdóttir, coordinator for the EU-funded MareFrame (Co-creating Ecosystem-based Fisheries Management Solutions) project. “Our goal was to contribute to removing the barriers that prevent more widespread use of EAFM.””

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Comissão Europeia, 22 de maio de 2018

Older Posts »

Categorias

%d bloggers like this: