logo_publico“O arquipélago dos Açores foi classificado como um Hope Spot (Local de Esperança) para a protecção dos oceanos pela fundação Mission Blue – Sylvia Earle Alliance, um reconhecimento que pretende fazer da conservação do mar da região uma prioridade.
O reconhecimento foi anunciado esta terça-feira na Horta, ilha do Faial, numa conferência de imprensa em que estiveram presentes a oceanógrafa norte-americana Sylvia Earle e o secretário regional do Mar, Ciência e Tecnologia do Governo dos Açores, Gui Menezes.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Público, 17 de julho de 2019

Publicado por: pongpesca | 2019/07/19

Illegal fishing endangers both ecosystems and food security

Illegal fishing endangers both ecosystems and food security“Just as in sport, so in environmental protection, receiving a yellow card is an indication that you’ve committed a bad foul. You’ve been issued a warning to mend your ways. The European Union hands out yellow cards to countries that it considers to be in violation of sustainable fishing practices.
In an attempt to get their yellow card (or “warned status”) lifted, these countries can improve the management of their fisheries by tackling illegal, unreported and unregulated (IUU) fishing practices that pose dangers to aquatic resources in their national waters.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Sustainability Times, 18 de julho de 2019

Publicado por: pongpesca | 2019/07/19

Time to break the cycle of overfishing

shoal of fish swimming“Every summer Seafest – Ireland’s largest maritime festival and the public face of the Government’s integrated Marine Plan, ‘Harnessing Our Ocean Wealth’ – descends upon us. The annual event is as an ongoing opportunity to carry forward the public dialogue around the relationship we as an island nation have with the seas around us but fell short by failing to address the biggest pressure on marine life and greatest threat to the ocean: overfishing.
The industrialisation of European fisheries post World War II has driven overfishing, shattering marine ecosystems, removing top predators, depleting populations of marine animals, fundamentally altering the balance within marine food webs and destroying habitats.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: BirdWatch Ireland, 11 de julho de 2019

Publicado por: pongpesca | 2019/07/18

Erosão da costa portuguesa é grave e efeitos vão piorar

“A situação não é exclusiva de Portugal e deve-se a vários fatores, dos quais se destaca a intervenção humana nos leitos dos rios, nomeadamente barragens que impedem os sedimentos de se deslocarem para a zona costeira, os erros do ordenamento da faixa costeira cometidos ao longo de décadas e a retirada de areia dos rios para a construção.

Filipe Duarte Santos, da Universidade de Lisboa, destacou que a costa portuguesa “é das costas, à latitude a que se encontra, mais energéticas do mundo”, com ventos persistentes predominantemente de quadrante norte-oeste que orientam nesta direção as ondas.

Quando o mar atinge a costa, “não a atinge de frente, mas um bocadinho de lado”, e este movimento é permanente, desgastando a costa e “transportando areais de praias de norte para sul, com um valor médio de um milhão de toneladas de sedimentos por ano”.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Expresso, 18 de julho de 2019.

“O Windfloat Atlantic, o primeiro parque eólico offshore em Portugal, já está a avançar. Arrancou a montagem da primeira turbina do parque eólico, no cais do porto de Ferrol em Espanha, devendo a primeira das três torres do projeto eólico chegar ao destino final, costa de Viana do Castelo, até ao final deste verão.

Esta central eólica flutuante pertence ao consórcio Windplus, detido conjuntamente pela EDP Renováveis (54,4%), ENGIE (25%), Repsol (19,4%) e Principle Power (1,2%). Segundo a EDP, “é um marco importante para o projeto WindFloat e para o setor da energia eólica offshore, dado tratar-se da maior turbina alguma vez instalada numa plataforma flutuante”.

O parque eólico será composto por três turbinas eólicas e serão montadas em plataformas flutuantes ancoradas no fundo do mar, a uma profundidade de 100 metros. Estas turbinas vão fornecer ao complexo uma capacidade total de 25 MW, oque equivale à energia consumida por 60 mil casas no período de um ano.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: ECO, 17 de julho de 2019.

Publicado por: pongpesca | 2019/07/18

Do marine protected areas work?

ScienceDaily“A study published July 17 in the Journal of Applied Ecology is the first description of how to use data collected before and after a protected area is implemented to measure its effectiveness. Data collected beforehand can help predict how much fish populations are expected to increase. Then scientists can compare it to data collected after the MPA is in place to help determine whether adjustments are needed, such as changing the size or enforcement levels of an MPA.

California’s Marine Life Protection Act of 1999 was created to safeguard some of the state’s most treasured resources — its coast and ocean. It mandated that such areas be managed adaptively, with the ability to be changed if needed to meet the goals of preserving the diversity and abundance of marine life off the California coast. But, since its implementation, there has not been a way to assess whether or not the state’s MPAs are effective in meeting those goals.

“California has the second largest marine protected area network in the world — the first is in Australia with the Great Barrier Reef — and the rest of the world looks at California as an example of what can be done,” said lead author Kerry Nickols, who began the work while a postdoctoral student at UC Davis and is now at California State University, Northridge.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Science Daily, 17 de julho de 2019.

 

“Maersk — the world’s largest container shipping company — has an astonishing goal. By 2050, the company vows to send goods — everything from electronics to soybeans to sneakers — around the world with zero carbon emissions.
The environmental logic behind such a promise is straightforward: Shipping contributes substantially to global climate change.
But the business case is not as obvious.
The goal, announced late last year, will cost Maersk billions to develop new technologies. Meanwhile, it will be competing in a crowded, competitive market against rivals who aren’t bearing that burden. And there’s no guaranteed financial payoff if the engineers’ work succeeds.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: npr, 15 de julho de 2019

Discards“Fishermen are continuing to illegally discard dead fish back into the sea, according to a House of Lords inquiry.
The inquiry looked at the impact of the ban on fishing discards six months after new rules took effect.
The committee’s report said the new regulations have had “little impact”, but industry leaders said this was the wrong conclusion.
Fishing discards were prohibited after a campaign by the chef Hugh Fearnley-Whittingstall.
The EU regulations were designed to stop fishermen throwing unwanted fish back into the sea dead, instead obliging skippers to land them.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: BBC news, 16 de julho de 2019

Publicado por: pongpesca | 2019/07/17

Sustainable Fishing to Fight Poverty

Sustainable fishing“Around the world, millions of people living in coastal villages and communities rely on fishing for their livelihood. In fact, fish is the most common source for at least one billion people globally. Fishing is not only important for food security but also for the economy. The global fishing industry employs around 200 million people. That’s why is organizations are working to spread awareness of the use of sustainable fishing to fight poverty.
Fishing is especially crucial for those in developing countries because it provides much of their employment, nutrition and food security. However, as overfishing continues to persist everywhere, both the marine ecosystems and the lives depending on the fishing practices are going to be negatively affected.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Borgen Magazine, 15 de julho de 2019

Publicado por: pongpesca | 2019/07/16

Humans May Be Accidentally Geoengineering the Oceans

Humans May Be Accidentally Geoengineering the Oceans“As the saying goes, what goes up must come down—and, as it turns out, a lot of what goes up comes down into the world’s oceans.
Iron particles, released by human industrial activities, are one example of a pollutant that goes into the atmosphere and eventually settles into the sea. Now, new research suggests that human-emitted iron is accumulating in the ocean in much greater quantities than scientists previously estimated. And it may also be dissolving into the water more easily than suspected.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Scientific American, 15 de julho de 2019

Publicado por: pongpesca | 2019/07/16

O CCMAR está a recrutar!

Resultado de imagem para ccmar logoRESEARCH FELLOWSHIP (MSC.) ADVERTISEMENT – 1 VACANCY (CCMAR/BI/0004/2019)

Ver edital completo aqui.

Candidaturas até 22 de julho.

Fonte: CCMAR

A dead North Atlantic right whale being pulled to shore in Norway, P.E.I. last month so that a necropsy could be performed. Preliminary results suggest the whale died of blunt force trauma consistent with a ship strike. - File photo“One day after the Canadian government announced further measures aimed at the protection of endangered North Atlantic right whales, a collective of six Canadian marine conservation groups are arguing the measures don’t go far enough.
Jonathan Wilkinson, Minister of Fisheries and Oceans, and federal Transportation Minister Marc Garneau announced on Monday that the government of Canada is expanding the zones in the Gulf of St. Lawrence where speed restrictions apply, the slowing down of more ships, increased aerial surveillance, and funding for initiatives to enhance marine mammal response.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: The Guardian, 10 de julho de 2019

Fish Piracy“The world’s fish stocks are in decline and our increasing demand for seafood may be one of the main drivers. But the true extent of the problem is hard to estimate, especially when fishing occurs in the high seas, which lie beyond national jurisdiction and are hard to monitor.
Conservation planners face growing pressures to combat illegal, unregulated and unreported (IUU) fishing, the value of which has been estimated at US$10-23.5 billion annually. This is an important cost for society as a whole, but also for the major high seas fishing countries such as China and Taiwan that subsidize their fleets and may have low labour costs.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Eco-business, 12 de julho de 2019

Publicado por: pongpesca | 2019/07/15

Portugal tem de reduzir ainda mais pesca da sardinha

logo_publico“O director-geral das Pescas da Comissão Europeia estimou este domingo que Portugal e Espanha ainda tenham de “apertar mais o cinto” nos limites impostos à captura de sardinha, considerando ser a única forma de assegurar a continuidade da pesca ibérica.
“Se quisermos ter uma pesca da sardinha que continue nos próximos anos, vai haver um período em que é preciso apertar o cinto e isso é muito difícil”, afirmou em entrevista à agência Lusa, em Bruxelas, o director-geral dos Assuntos Marítimos e Pescas (DG-MARE), João Aguiar Machado.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Público, 14 de julho de 2019

Dried Seahorses (hippocampus spp.) being smuggled from Indonesia to Vietnam were detected  by airport customs during X-ray luggage inspection and seized by Singapore’s Immigration and Checkpoints Authority“Milhares de animais, incluindo felinos, macacos, tartarugas, répteis, aves e até tubarões, foram apreendidos durante uma operação mundial contra o tráfico de animais selvagens que resultou na detenção de quase 600 suspeitos, anunciou esta quarta-feira a Interpol.”

 

 

Ver artigo completo aqui.

Fonte: TSF, 10 de julho de 2019.

 

“One hectare of ocean in which fishing is not allowed (a marine protected area) produces at least five times the amount of fish as an equivalent unprotected hectare, according to new research published today. This outsized effect means marine protected areas, or MPAs, are more valuable than we previously thought for conservation and increasing fishing catches in nearby areas.”

 

Ver artigo completo aqui.

Fonte: The Conversation, julho de 2019.

Publicado por: pongpesca | 2019/07/12

International Fish Fights on the Rise

fishing boats in the English Channel“The “mackerel war”—a bitter dispute between several European countries over how much North Atlantic mackerel may be landed every year—has raged for more than a decade. Now there is a “scallop war,” too. Last year, British and French fishing boats rammed each other in the English Channel over the shellfish.”

 

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Hakai magazine, 5 de julho de 2019.

“Seguindo orientações da Ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, a Direção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM) está a avançar com um investimento de 2 milhões de euros em dragagens nos portos de Lagos, Peniche, Póvoa de Varzim e Vila do Conde, respondendo às necessidades de intervenção para salvaguarda da segurança no acesso a embarcações e melhoria das condições de navegabilidade nestes portos.

Os portos de Lagos e de Peniche vão ser objeto de investimentos em dragagens, tendo sido aberto, no mês de junho, o respetivo concurso público com os dois lotes, no montante de 413 mil euros em Lagos, com um volume de 79 mil metros cúbicos (m3) de sedimentos a dragar e prazo de execução de três meses, e de cerca de 792 mil euros em Peniche, com um volume de 113 mil m3 e prazo de execução de quatro meses.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Barlavento, 8 de julho de 2019.

Untitled“Foi há quase 60 anos que o tenente norte-americano Don Walsh e o engenheiro suíço Jacques Piccard decidiram ir onde nunca ninguém tinha ido: o ponto mais fundo do mar, na Fossa das Marianas, a quase 11 mil metros de profundidade — e conseguiram-no. Agora, volvidas seis décadas, o oceanógrafo Don Walsh tem notado nas suas expedições o efeito destruidor das alterações climáticas e deixa o alerta de que ainda “temos tempo” para mudar as cidades costeiras para terrenos mais elevados; caso contrário, haverá cada vez mais refugiados climáticos. “Pela primeira vez na história da humanidade, teremos nações inteiras a ter de ir embora das suas terras por causa das alterações climáticas. Para onde vão?”, questiona.

É o caso das ilhas Seicheles, de Tuvalu ou das Maldivas, onde a maior parte do terreno está nem a um metro acima do nível da água do mar, diz ao PÚBLICO Don Walsh, numa entrevista à margem da Conferência Global de Exploração (Glex), que se realizou pela primeira vez em Lisboa para assinalar os 500 anos da circum-navegação de Fernão de Magalhães. “É um assunto muito sério e o mais provável é que muitas das pessoas perderão as suas casas e as suas terras por não darem ouvidos aos conselhos dos especialistas”, explica.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Público, 5 de julho de 2019.

“As Nações Unidas reúnem-se anualmente para avaliar os progressos e obstáculos para alcançar os objetivos de desenvolvimento sustentável até 2030.

A ONU alertou esta terça-feira que a resposta internacional para atingir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável para 2030 não está a ser “suficientemente ambiciosa” e destacou que ainda há muito para fazer para combater as alterações climáticas e reduzir desigualdades.

O alerta surge num relatório apresentado hoje na inauguração do Fórum Político de Alto Nível da Organização das Nações Unidas (ONU), onde cerca de 2.000 participantes vão discutir até 18 de julho, em Nova Iorque, os avanços e desafios para atingir os 17 objetivos que a organização internacional definiu em 2015, adiantou a agência espanhola, Efe.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: SIC Notícias, 10 de julho de 2019.

Resultado de imagem para logo lpn“A Liga para a Protecção da Natureza (LPN) abre vaga para Técnico(a) especializado(a) em biologia marinha, gestão e conservação marinhas.
A LPN – Liga para a Protecção da Natureza é uma Organização Não Governamental de Ambiente (ONGA), fundada em 1948, que tem como objetivo principal contribuir para a conservação do património natural, da diversidade das espécies e dos ecossistemas.”

Candidaturas até 19 de julho para geral@lpn.pt.

Ver edital completo aqui.

Fonte: LPN

Publicado por: pongpesca | 2019/07/10

iPhone Charging Cables Made from Ghost Fishing Nets

Credit: Le Cord“Swedish company Le Cord has created a new collection of Apple-certified charging cables for iPhones using recycled plastics from ghost fishing nets.
This is the first time recycled plastics from the ocean have been used for certified mobile charging accessories.
Every year more than 640,000 tons of fishing gear is dumped in the ocean, killing fish and other marine life. The ghost nets continue to trap fish, leading to a cycle where the trapped fish are tempting food for other marine life which then also get caught in the nets. It can take hundreds of years before the ghost nets naturally degrade into micro plastics.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: The Maritime Executive, 3 de julho de 2019

Publicado por: pongpesca | 2019/07/10

Overfishing plus climate change equals threat to fisheries

overfishingOverfishing increases the threat posed by climate change to fish stocks and fisheries, according to a new report for MPs.
Catch limits for more than 30% of UK and EU fish stocks have “repeatedly been set at unsustainable levels”, the report warns.
It says such overfishing reduces “resilience”—the ability of fish to withstand and recover from other threats, including climate change.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Phys, 8 de julho de 2019

Resultado de imagem para ipnlf logo“Improved management still urgently required to rebuild yellowfin tuna to a sustainable level. Indian Ocean drifting FAD numbers remain too high. More work needed to provide independent verification of drifting FAD data
The Indian Ocean Tuna Commission’s (IOTC) 23rd Annual Meeting concluded on Friday 21 June 2019 with the ratification of a few modest management decisions, but the International Pole & Line Foundation (IPNLF) maintains that the sustainability agenda could have been progressed much further, and is particularly disappointed that the opportunity wasn’t taken to end the overfishing of the region’s yellowfin resource.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: IPNLF, 26 de junho de 2019

Resultado de imagem para observador logo“Os responsáveis descrevem-na como “a maior e mais bem sucedida limpeza do oceano de sempre”. Ao longo de 25 dias, foram 40 as toneladas de plástico recolhidas do Oceano Pacífico pelo grupo ambientalista Ocean Voyages Institute. O lixo encontrado? O costume: garrafas e embalagens, material de pesca e até brinquedos de crianças.
O grupo focou-se na Zona de Convergência Subtropical, forte corrente que fica entre o Havai e a Califórnia. Esta zona alberga o “vórtex de lixo do Pacífico”. O nome, por si só, já é elucidativo: trata-se da maior concentração de plástico flutuante do mundo.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Observador, 1 de julho de 2019

logo_publico“Mais de 600 exemplares marinhos emaranhados, entrelaçados ou presos em plástico. Foi a este número (que pode muito bem ser mais alto) que uma equipa de investigadores da Universidade de Exeter, no Reino Unido, chegou ao fazer um balanço da quantidade de elasmobrânquios (subclasse de peixes cartilagíneos, com mais de mil espécies já identificadas), nomeadamente de tubarões e raias, que já ficaram presos em algum tipo de resíduo plástico proveniente de fontes terrestres ou resíduos de actividades piscatórias.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Público, 5 de julho de 2019

logo_publico“Três baterias com um total de cerca de 150 quilogramas, submersas perto do cais de embarque da ilha da Culatra, em Faro, foram removidas este sábado, no âmbito da campanha “Ria Formosa livre de plásticos”.
Em declarações à agência Lusa, Sandra Godinho, dirigente da Associação para o Estudo e Conservação dos Oceanos (aECO) e responsável pelo projecto, indicou que “foram precisas mais de duas horas para retirar o material poluente do fundo do mar, numa operação que contou com várias entidades”.
“Além dos voluntários da associação, participaram nas operações de resgate das baterias a Polícia Marítima, mergulhadores da Universidade do Algarve e pescadores”, adiantou.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Público, 6 de julho de 2019

A worker sorts used plastic bottles to be recycled at a plastic recycling center in Denpasar, Bali.“Bali has banned the use of single-use plastic items in a bid to cut down on ocean pollution.
The law prohibiting plastic bags, straws and Styrofoam has come into effect as of July 2, after a six-month transition period that ended last month.
The Indonesian government has ambitious goals for the policy, hoping to achieve a 70 percent decrease in Bali’s plastic marine waste within a year.
“This policy is aimed at producers, distributors, suppliers and business actors, including individuals, to suppress the use of single-use plastics. They must substitute plastics with other materials,” Bali Governor Wayan Koster said at the time, according to the Jakarta Post.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: New York Post, 2 de julho de 2019

Publicado por: pongpesca | 2019/07/08

Seychelles to set up Marine Protected Areas

“The government of Seychelles has pledged to set aside 30 percent of its exclusive economic zone (EEZ) to marine protected areas, out of which 15 percent will be a no take, no fishing and no extraction. The other 15 percent on varying levels of protection will still be classified as marine protected areas.
In an exclusive interview Dr Nirmal Jivan, the CEO of Nature Seychelles, said this is a huge undertaking and a massive pledge, in that, it involves about 400,000 square kilometer of oceans considering the population of less than 100,000.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Independent online, 5 de julho de 2019

Ver mais informações aqui.

Fonte: European Comission, 2019.

“Já são conhecidos os resultados da Avaliação e Financiamento Plurianual de Unidades de I&D para o período 2020-2023: do Centro de Ciências do Mar do Algarve (CCMAR), o Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE), o Centro I&D OKeanos – Universidade dos Acores (Okeanos-UAc), o Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR) e o Centro de Investigação Marinha e Ambiental (CIMA UALG) apenas este último recebeu classificação de “Muito bom”, os restantes receberam “Excelente”.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Jornal de Economia do Mar, 2019.

Publicado por: pongpesca | 2019/07/05

Evento|As espécies marinhas de Sesimbra

posterpeixes5 br.jpg

Mais informações sobre o evento aqui.

Fonte: Clube Sesimbrense, 2019.

“Bacalhau com todos”, até com plástico, numa campanha que alerta para os perigos que moram nos oceanos“Para assinalar o Dia Internacional Sem Sacos de Plástico, a 3 de julho, a Quercus promove uma Campanha intitulada “Bacalhau com todos, foi você que pediu?”. Iniciativa que revela o drama da poluição por plástico, um problema à escala global.

No contexto da campanha “Bacalhau com todos, foi você que pediu?”, a Quercus deixa um apelo à total proibição da oferta de sacos de plástico e convida os consumidores a usarem o seu próprio saco reutilizável nas compras.

No âmbito desta campanha, num vídeo com menos de um minuto, disponibilizado nas redes sociais, assistimos à preparação do tradicional bacalhau cozido com batata e couve. Isto numa cozinha doméstica. Há, contudo, um senão. À mesa, o nosso bacalhau com todos, é servido num prato onde não falta o plástico, a ombrear com o fiel amigo, acompanhamentos e azeite.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: SAPO, 3 de julho de 2019.

“O regresso à caça da baleia pelos japoneses – que começou e já foram capturados os primeiros exemplares, após mais de três décadas de interrupção da pesca e seis meses depois de ter anunciado a saída da Comissão Baleeira Internacional (CBI) – “é preocupante”, diz ao DN Mónica Silva, investigadora principal do Instituto do Mar (IMAR) da Universidade dos Açores. A decisão “abre um precedente relativamente a um acordo que tinha sido estabelecido entre as nações” no âmbito da Convenção Internacional para a Regulação da Atividade Baleeira, diz o biólogo Luís Freitas, representante de Portugal na CBI.

Para estes especialistas, o Japão teria muito a ganhar se seguisse o exemplo de Portugal. Ter um “meio marítimo saudável e os ecossistemas a funcionar em pleno” são algumas das vantagens que aponta, além da exploração dos recursos para a atividade turística através do whale whatching, a observação das baleias. Foi o que Portugal fez e com sucesso.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Diário de Notícias, 3 de julho de 2019.

logo_publico“Os supermercados vão deixar de dar sacos plásticos ultraleves para a fruta e vegetais — embora continue a ser difícil encontrar nas prateleiras produtos que não venham já em embalagens de uso único. O desafio da campanha mundial Plastic Free July é mesmo esse: durante o mês de Julho, não trazer para casa qualquer tipo de plástico descartável.
O projecto de consciencialização começou em 2011, na Austrália. A 3 de Julho, esta quarta-feira, celebra-se o Dia Internacional Sem Sacos de Plástico mas isso já não chega: dizem os especialistas que é preciso descartar um estilo de vida descartável, consumir menos e de forma mais consciente. Durante todo o ano, é certo, mas o que a fundação Plastic Free (livre de plástico, em português) propõe é um mês de avaliação e redução a nível global.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Público, 3 de julho de 2019

Resultado de imagem para euronews logo“To help clean the seas around Greece, fishermen are being paid €200 a month to recycle waste from their nets. More and more plastics and cans are being pulled from the waters as well as the fish. A new Greek company called Enaleia has backing from Greek and foreign donors to introduce a more sustainable way of fishing.
In the last year, Lefteris Arapakis, founder of Enaleia and his team have started an ambitious programme with Greek fishermen. They have given financial incentives so when the fishermen find waste in their nets they don’t throw them back into the sea but keep them to be recycled later. Arapakis and the Enaleia organisation were crowned Young Champions of the Earth by the United Nations Environment department in June.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: euronews, 2 de julho de 2019

Publicado por: pongpesca | 2019/07/03

North Sea cod on brink of collapse

North Sea cod on brink of collapse“Leading conservation organisations are calling on the UK government to introduce emergency measures to protect and preserve the declining population of the iconic North Sea cod.
North Sea cod population numbers have fallen to a critically low level and are in danger of disappearing altogether if drastic action is not taken. These were the findings reported by the International Council for the Exploration of the Sea (ICES) in a recent scientific assessment. In order to protect and restore the population, ICES is advising that the quota for cod fishing be reduced by 70 per cent. It recommends that catches should not exceed 10,457 metric tons in 2020, a 64 per cent drop from this year’s agreed total catch of 29,473 tons and a further 80 per cent drop from 53,000 tons in 2018.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Geographical, 2 de julho de 2019

“Dois artistas estiveram, de 17 a 23 de Junho, na Ilha da Culatra, em Faro, para realizarem intervenções artísticas e ações de sensibilização com a comunidade sobre a conservação dos oceanos.
Esta iniciativa surge no âmbito do evento Mar Motto, organizado pela Sciaena, uma organização não governamental ambiental portuguesa que luta pela conservação marinha, em parceria com a Câmara de Faro e com a ativa participação da Associação de Moradores da Ilha da Culatra (AMIC).
À semelhança do que foi feito no início de Junho em Faro com Tiago Hesp, nestes últimos dias foi a vez da Ilha da Culatra receber dois artistas de áreas bem diferentes.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Sul Informação, 27 de junho de 2019

genetic-biocontrol-invasive-rodents-program-island-conservation-revive-restore-ocean-conservation-coral-reef-feat“The world’s oceans are in great peril. To help conservation and to reverse the trends of oceanic degradation, we must innovate and employ every available tool. More help is on the way. Today, Revive & Restore, a California-based non-profit conservation organization, announced the release of an “Ocean Genomics Horizon Scan.” This report provides a first-of-its-kind assessment of genomic and biotech innovations to complement, enhance, and accelerate today’s marine conservation strategies.
Revive & Restore is raising $15 million to fund ten “Big Ideas” that demonstrate the power of these technologies and address a significant conservation challenge. Each of these Big Ideas is led by a team of passionate scientists and identifies a clear technology development path with achievable milestones on a two-to-three-year timeline.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Island Conservation, 26 de junho de 2019

“The lack of any real market for whale meat has prompted Iceland’s whalers to forego the hunt this season, for the first time since 2003.
RÚV reports that this applies not only to endangered fin whales, but also to the far more plentiful minke whales.
Hvalur hf., the last company in Iceland that still hunts fin whales, already announced earlier this month that they would not be hunting fin whales this summer on account of getting their permit too late.
Gunnar Bergmann Jónsson, a minke whaler and the CEO of whaling company IP Útgerð, said that his company would skip whaling to focus on sea cucumbers instead.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: The Reykjavik Grapevine, 27 de junho de 2019

logotipo dn 183952_196072783754374_196651_n“Percorrem entre cinco e sete mil quilómetros à boleia das correntes oceânicas até chegarem aos estuários e às lagoas costeiras da Europa e de África. Milhões delas acabam como iguaria nas refeições em Espanha e em França, mas especialmente nas aquaculturas de países asiáticos como a China, a Tailândia ou o Vietname, onde se chega a pagar 2500 mil euros por um quilo deste peixe na sua fase juvenil – mais tarde transformar-se-á em Anguilla anguilla, ou enguia-europeia – quando em Portugal a mesma quantidade rende 200 euros ao pescador.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Diário de Notícias, 1 de julho de 2019

Publicado por: pongpesca | 2019/07/01

Japão retoma pesca de baleias após 30 anos

logo_publico“Baleeiros japoneses deixaram nesta segunda-feira o porto de Kushiro, no Norte do Japão, para recomeçar a pesca comercial de baleias, após mais de três décadas de interrupção. A saída de cinco barcos da ilha de Hokkaido acontece seis meses após o Governo nipónico ter anunciado que ia deixar a Comissão Baleeira Internacional (CBI), depois de ter levantado uma moratória em vigor sobre a pesca moratória da baleia.
“Acreditamos que as baleias são recursos marinhos como peixes e que podem ser usadas com base em critérios científicos”, disse um funcionário do Ministério da Agricultura, Florestas e Pescas.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Público, 1 de julho de 2019

“O Supremo Tribunal Administrativo veio dar razão à Plataforma Algarve Livre de Petróleo (PALP), defendendo que o «princípio da precaução» para danos ambientais devia ter sido tido conta quando o Tribunal Central Administrativo (TCA) do Sul decidiu revogar a providência cautelar que impedia o avanço do furo de petróleo, ao largo de Aljezur.
Ao Sul Informação, Rosa Guedes, da PALP, explicou que o Supremo, na prática, disse que o «princípio de precaução devia ter sido tido em conta e acautelado pelo Tribunal Central Administrativo do Sul».
Essa decisão do TCA-Sul, recorde-se, foi conhecida em Fevereiro deste ano e veio anular a providência cautelar da PALP, interposta em Agosto de 2018.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Sul Informação, 28 de junho de 2019

Publicado por: pongpesca | 2019/07/01

Tackling unregulated, unreported fishing

fishing boat“We are all increasingly aware of the perilous state of our oceans and seas, of growing pollution, of huge volumes of plastic waste and over-fishing.
The importance of harvesting fish stocks at sustainable levels is easily understood when we know that the world’s reported total fish catches have been stable since the late 1980s, yet the global population is expected to reach 10 billion in 2050.
Fighting against illegal, unreported, and unregulated (IUU) fishing is an absolute priority.”

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Ecologist, 26 de junho de 2019

Publicado por: pongpesca | 2019/06/28

Novo concurso para o Núcleo de Pescas da Madalena, no Pico

Turquia“O novo concurso surge no seguimento do anterior cujas propostas apresentaram valores acima do preço base estipulado, no caso, de 800 mil euros. A empreitada prevê a construção de dois cais, um de alagem com 20 metros e um outro auxiliar com 17 metros, o que permite aumentar, cerca de 50% a zona acostável para a pesca local. Os trabalhos incluem igualmente a construção de um terrapleno com 1.200 metros quadrados e uma zona diferenciada para os pescadores.”

 

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Jornal de Economia do Mar, 2019.

“No primeiro trimestre de 2019 foram apresentados os resultados da Avaliação Intercalar da implementação da Estratégia de Desenvolvimento Local (EDL) 2014-2020 do DLBC GAL ADREPES Costeiro, tendo sido superados os indicadores e metas contratualizados para 2018.”

 

Ver artigo completo aqui.

Fonte: ADREPES, 24 de junho de 2019.

The Skimmer on Marine Ecosystems and ManagementEditor’s note: Marine plastic has a profound impact on marine ecosystems – entangling and killing wildlife, spreading disease and non-native species, and even impairing the oceans’ creation of oxygen. Managing marine ecosystems will need to include managing the marine plastic problem. Last month the Skimmer reported on the impacts of marine plastic on the Blue Economy, including on tourism, fishing, and ecosystem services. This month, in the second half of our plastics coverage, we examine which policies to reduce marine plastic seem to work best.”

 

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Openchannels, 10  de junho.

Two seahorses in the palm of a hand Piles of writhing sea life cover a narrow wedge of golden sand at the southern tip of Djiffer, a compact but bustling fishing town on the coast of Senegal.

In the late afternoons, colorfully painted pirogue boats arrive on its shores to add fresh hauls caught in the tropical waters off the surrounding Sine-Saloum region.

Boisterous crowds of merchants tussle to secure the prime choice of the day: barracuda, stingray, oysters, sea cucumbers, and the revered capitaine fish. The smallest and perhaps most valuable part of the catch, however, is the seahorse.

“Prices for these have gone up very quickly,” said Youssef, a local mareyeur whose role traditionally involves acting as a broker between fishermen and buyers.

Ver artigo completo aqui.

Fonte: Deutsche Welle, 26 de junho de 2019.

Publicado por: pongpesca | 2019/06/27

Mar adentro: na lota o preço desce, na loja sobe

Os portugueses consomem sardinha como ninguém, mas nem só da sardinha vive o povo português, nomeadamente os que se dedicam à pesca.

Ao longo dos anos verifica-se uma tendência: enquanto o valor médio dos diversos peixes aumenta, o número de capturas diminui drasticamente. Uma das afirmações mais ouvidas quando chega o tempo quente, e este convida a um peixe no carvão, é que “o peixe está caro”. E a afirmação é capaz de passar no polígrafo, pois grande parte dos preços dos peixes capturados em 2018 ficaram mais caros.

No entanto, enquanto em 2017 a enguia estava a ser vendida a 158,94 euros ao quilo, em 2018 este valor fixou-se em 74,09 euros. E o mesmo se verificou com a dourada e atum, que viram os preços descer alguns cêntimos.

Ver artigo completo aqui.

Fonte: O Jornal Económico, 25 de junho de 2019.

Publicado por: pongpesca | 2019/06/27

This is how China can be a friend to ocean conservation

A worker collects fishing nets at an aquaculture company in Xuzhou, Jiangsu province, China August 30, 2018. Picture taken August 30, 2018.  REUTERS/Stringer ATTENTION EDITORS - THIS IMAGE WAS PROVIDED BY A THIRD PARTY. CHINA OUT. NO COMMERCIAL OR EDITORIAL SALES IN CHINA.      TPX IMAGES OF THE DAY - RC1E5075FAB0An industrial revolution is beginning in the oceans. Historically, the most valuable commodities drawn from the sea were products like cod, pearls, and sponges. The currencies of this new ocean economy are different: kilowatts of energy, shipping containers, metals, data, desalinated water, DNA, and oil, to name a few. The marine industrial economy has been valued at $1.5 trillion and is predicted to grow at double the rate of the rest of the global economy by 2030.

A sometimes unappreciated aspect of this recent explosive industrial marine growth is that its distribution is highly uneven. In fact, many key facets of the new ocean economy have been dominated by one nation: China.

China, for example, leads the world in industrial fishing. It accounts for over half of all the industrial fishing that happens in international waters – the high seas – and Chinese vessels fish in the national waters – exclusive economic zones – of about 40% of all non-landlocked nations.

Ver artigo completo aqui.

Fonte: World Economic Forum, 25 de junho de 2019.

Older Posts »

Categorias

%d bloggers like this: